a sua origem perde-se no tempo

A quinta de St.º António do Freixo era, até ao ano de 1998, uma unidade tradicional de exploração agrícola onde se cultivavam desde a hortifruticultura aos cereais, da moagem à criação de gado, do vinho ao azeite.

As infra-estruturas de suporte à tão diversificada actividade, resulta num conjunto arquitectónico de beleza única (edificado ao longo de séculos) onde se insere a habitação senhorial.
A sua origem perde-se no tempo (são conhecidos registos oficiais no ano de 1774) sendo a sua última construção datada dos anos 30 do século passado.